Ver perfil

Feedbacks: falo, falo e não digo o que preciso 🥺

Impulso News
Feedbacks: falo, falo e não digo o que preciso 🥺
Por Impulso News • Edição Nº63 • Ver na web
Toda semana, temos uma edição com conteúdos escritos e curados por Sylvestre Mergulhão, Karine Silveira e Rafael Miranda sobre Inovação, Liderança, Transformação Digital e Business Agility. Nessa semana, confira este artigo da nossa COO Karine (Kari) Silveira.

Conversar sobre feedbacks com as lideranças da Impulso é figurinha carimbada (conhecem essa expressão?). Faz parte do nosso dia a dia. Somos uma empresa de feedbacks contínuos e estamos sempre querendo melhorar.
A gente conversa demais por aqui (ADORO❤️) e, em um desses momentos, surgiu por parte de algumas lideranças o quanto é difícil, como líderes, sermos claros, objetivos, assertivos e generosos em um momento de feedback negativo - ou de construção, como gosto de falar. 
Como equilibrar tudo isso em um momento tão delicado? Afinal, sabemos que feedbacks estão na lista das conversas mais difíceis. São duas pessoas envolvidas e muitos sentimentos e informações pairando no ar.
Para deixar mais divertido (como costumo dizer), por mais que a gente se prepare, na maioria das vezes, algo dá errado. 😕
O que não faltam são livros, dicas e frameworks sobre dar feedbacks. Mas, no final das contas, precisamos encontrar o nosso jeitinho de fazer isso, caso contrário, nunca deixará de ser um momento de frio na barriga e desconforto. Então vou falar um pouco sobre como costumo dar feedbacks de construção: 
  • Dou Feedbacks de forma imediata. Não funciona esperar o momento do 1:1 porque, geralmente, o timing passou, o contexto se perdeu, junto com um conjunto importante de informações, como por exemplo, o que levou a pessoa a tomar determinada decisão. 
  • A depender da gravidade do Feedback, escolho se mando uma mensagem direta, um áudio ou chamo rapidinho para uma call (sempre dizendo a pauta), caso contrário, a pessoa já acha que será demitida. 🙈
  • Ninguém gosta de ser rejeitado, magoar alguém, dar notícias ruins, mas esse é um momento de Sinceridade Radical, mas sem nunca deixar de lado o carinho pela pessoa e generosidade em ajudá-la a melhorar.
  • Para evitar que a gente fale e fale e não diga o que precisa ser dito, é fundamental começar pela informação mais importante: o feedback. É o momento de dizer o que aconteceu de errado. 
  • Depois é entender como e porque aconteceu, senão não ajudamos a pessoa a melhorar e nem identificamos oportunidades de melhoria para nossa empresa.
  • É a hora de conversar de forma aberta, criando um espaço de confiança sempre. 
  • Durante a conversa, é bem legal entender o contexto, se foi um erro pontual, o que levou a pessoa a errar e, principalmente, como você, liderança, pode trabalhar junto com a pessoa para que ela não erre mais. 
  • Saiam com combinados para vocês dois. 🤝
  • E termine com chave de ouro🔑, perguntando como a pessoa se sentiu durante a conversa e se você poderia ter conduzido de um jeito diferente.
Os livros, as dicas, os frameworks ajudam… Mas, no final, bons momentos de feedback são resultados de experiência e de ensinarmos nossas pessoas a receberem feebacks com mais tranquilidade e leveza (mas isso é assunto para a próxima News). 😉
Radical Candor: Be a Kick-Ass Boss Without Losing Your Humanity (em inglês)
Obrigado pelo feedback: A ciência e a arte de receber bem o retorno de chefes, colegas, familiares e amigos
A coragem de ser você mesmo
“Receber feedback está na interseção dessas duas necessidades – nosso desejo de aprender e nosso desejo de aceitação.”
Douglas Stone
Curtiu essa edição?
Impulso News

Conteúdos sobre Inovação, Liderança, Transformação Digital e Business Agility, escritos e selecionados especialmente por Sylvestre Mergulhão, Karine Silveira e Rafael Miranda.

Para cancelar sua inscrição, clique aqui.
Se você recebeu essa newsletter de alguém e curtiu, você pode assinar aqui.
Curadoria cuidadosa de Impulso News via Revue.
Rua da Glória, 190, Sala 1002, Rio de Janeiro, RJ