Impulso News

Por Impulso News

Um problema maior do que o Turnover

#64・
605

assinantes

66

edições

Assine minha lista

By subscribing, you agree with Revue’s Termos de Uso and Política de Privacidade and understand that Impulso News will receive your email address.

Impulso News
Um problema maior do que o Turnover
Por Impulso News • Edição Nº64 • Ver na web
Toda semana, temos uma edição com conteúdos escritos e curados por Sylvestre Mergulhão, Karine Silveira e Rafael Miranda sobre Inovação, Liderança, Transformação Digital e Business Agility. Nessa semana, confira este artigo do nosso CRO Rafael Miranda.

Você sabe que problema consegue ser mais complicado que a taxa de Turnover?
👉 Líderes ruins.
Na semana passada, lá no Twitter, comecei a lançar luz sobre as consequências de termos líderes ruins nas nossas organizações.
De acordo com as projeções atuais da McKinsey e da Organização Mundial do Trabalho, até 2030 teremos mais de 400 milhões de pessoas gestoras no mundo. Todas ocupando uma posição de liderança numa organização.
E essa é uma estimativa conservadora.
Ou seja: serão muitas e muitas diretorias, gerências, coordenações e supervisões nas organizações, tomando decisões diariamente.
O problema é que a maioria esmagadora dessas pessoas fará um péssimo trabalho. E não sou eu quem está falando. Todos os dados mostram isso.
Ano após ano, inúmeros estudos apontam que até 80% dos funcionários pensam em pedir demissão por causa da sua liderança imediata. A Korn Ferry, por exemplo, observou que a principal causa do stress no trabalho é “o meu chefe”.  Já num estudo com 400 mil pessoas identificou-se a relação entre “o chefe” com doenças do coração. E em outro estudo, com depressão clínica!
Líderes ruins não só fazem as organizações perderem seus talentos. Eles também adoecem as pessoas!
Não é surpresa o estudo seminal da Gallup, que revela que apenas 15% dos colaboradores estão engajados nas empresas em que trabalham. Basicamente, as pessoas entram por causa da empresa e saem por causa da sua liderança imediata.
Acabamos de vivenciar a “Great Resignation”, onde centenas de milhões de pessoas pediram demissão dos seus empregos pelo mundo no pós-pandemia. E, como as operações precisam continuar rodando, sem alternativa colocamos lideranças inexperientes para assumir o lugar das que saem.
Qual a consequência disso? 
Mais perda de talentos.
É preciso frear esse ciclo vicioso, agindo na causa raiz do problema. Precisamos formar bons líderes!
Líderes que gerem resultados diferenciados e formem times de alta performance. Que gerenciem com eficácia, de forma previsível e sustentável.
Líderes que não adoeçam a si mesmos ou seus times.
Você sabia que organizações que possuem líderes de alta qualidade têm até 13x (!) mais chances de ultrapassar concorrentes em resultados financeiros? E que, além disso, têm até 3x mais retenção e engajamento de seus talentos?
Ou seja: formar bons líderes gera um alto impacto na empresa e nas pessoas.
👉 Se você quiser interagir diretamente comigo sobre esse assunto e em como podemos mudar esse cenário, me segue lá no Twitter pois agora escrevo diariamente lá sobre como liderar com alta performance, sem burnout.
Até a próxima!
The Dropout (TV Mini Series 2022) - IMDb
5 Easy Ways to Practice Active Listening
What other CEOs can learn from Elon Musk's aggressive, unorthodox Twitter takeover
“A empatia é fundamental para a escuta ativa. Coloque-se no lugar da outra pessoa para ver as coisas da perspectiva dela enquanto ela fala. Não traga nenhum julgamento pessoal para a conversa.”
Jacob Morgan
Curtiu essa edição?
Impulso News

Conteúdos sobre Inovação, Liderança, Transformação Digital e Business Agility, escritos e selecionados especialmente por Sylvestre Mergulhão, Karine Silveira e Rafael Miranda.

Para cancelar sua inscrição, clique aqui.
Se você recebeu essa newsletter de alguém e curtiu, você pode assinar aqui.
Curadoria cuidadosa de Impulso News via Revue.
Rua da Glória, 190, Sala 1002, Rio de Janeiro, RJ